DOSSIÊ: Jornadas de Junho

DOSSIÊ: Jornadas de Junho

Sem categoria
em 7 jun

Aqui estão compilados artigos e relatos sobre as Jornadas de Junho de 2013. Por Passa Palavra

Um ano após as manifestações pela redução da tarifa dos ônibus que resultaram em uma vitória popular e na reorganização da luta de classes nas cidades brasileiras, resolvemos agrupar as diferentes análises publicadas no Passa Palavra para facilitar o acesso e continuar com a reflexão.

São Paulo em cinco atos

Reunimos aqui os relatos dos cinco grandes atos pela redução da tarifa em São Paulo durante junho de 2013Por Passa Palavra

Goiânia: suspenso o aumento da tarifa

Apesar de seu caráter temporário, a medida é uma conquista dos usuários do transporte coletivo, mesmo com toda repressão e criminalização que tentam infligir aos manifestantes. É também uma mostra de que é possível barrar os aumentos que vêm ocorrendo pelo BrasilPor TarifaZero Goiânia

A novidade da recusa do MPL: uma vitória popular

O que vem ocorrendo é uma demonstração de força popular que participa ativamente no governo da cidade. Devemos vivenciar com alegria e sem temor essa novidadePor Caio de Andrea

Recomeçar as lutas: 1º ato pelo passe livre em Salvador

A maioria das pessoas ali estava diante da sua primeira mobilização social e isto pautou tanto as falas quanto as palavras de ordem. Por Passa Palavra

Violência e pacifismo, ordem e desordem

A nossa autonomia vale bem mais do que uma manchete positiva no jornal. E é essa autonomia que está em jogo. Por Grouxo Marxista

Por um vintém

A ampliação da luta não pode vir seguida por uma diluição irrestrita de suas pautasPor Guilherme Riscali

São Paulo Chamas

Veio ontem pelas esquinas o novo som/ para abolir aquele velho trem:/ NÃO DÁ MAIS!/ Vamos armar o bonde, o bonde/ da nossa cidade/ e rodar e rodar para além/ de qualquer insidioso trilhoPor Lucas Gordon

Relato de um cárcere: 68 longas horas

Alguma estranha semelhança com as narrativas da época da ditadura militar. No entanto, estamos vivenciando a plena democracia burguesaPor Stephanie Fenselau

Nos arredores dos grandes protestos e o cheiro de primavera

Criar uma força política plural contra o conservadorismo e o aliancismo negociante deve ser a estratégia fundamental do movimento encabeçado pelo MPL daqui para a frentePor Luiz Fernando Ribeiro

Barramos! 15 anos em 15 dias

Se do ponto de vista econômico a conquista pode parecer ninharia, no que tange ao seu significado político ela é enorme. Por Passa Palavra

A ofensiva das catracas e outras ofensivas

A luta pela liberação da catraca pode não ser imediatamente revolucionária, mas, na atual quadra histórica, as causas mais imediatas adquirem força dado o descontentamento latente que começa a explodirPor Maria Orlanda Pinassi

20 de junho: a Revolta dos Coxinhas

Esta movimentação necessita urgentemente de uma resposta de toda a esquerda anticapitalista. Hoje. Porque devia ter sido ontem, e amanhã será tardePor Passa Palavra

O povo nos acordou? A perplexidade da esquerda frente às revoltas

A situação nos coloca a urgência de reformular nossa postura na luta de rua e reafirma a centralidade do trabalho de base; assumem crucial importância os movimentos sociais que têm enraizamento na periferiaPor Caio Martins Ferreira

Um relato das lutas em Salvador

São aproximadamente trinta detidos, a maioria acusada de desacato, dano ao patrimônio e invasão de propriedade. Pessoas das duas marchas foram presasPor Passa Palavra

Desafios da luta pelo Passe Livre, desafios da luta amanhã

O pior de tudo é que as contradições do movimento, que até agora julga positiva sua maior debilidade, ou seja, a desorganização, jogam a favor da apropriação e assimilação capitalista da nossa luta. Por Pablo Polese

Uma nação em cólera: a revolta dos Coxinhas

O momento agora é de concentrar nossos esforços aí, onde os “coxinhas” não estão, onde as pautas populares encontram sua base realPor Passa Palavra

Salvador: 2 de Julho, dia do passe livre e de vaiar os governantes

Com a faixa de frente “Lutar não é crime, libertem nossos presos”, em referência à repressão e aos presos políticos feitos pela polícia militar no mês passado, por onde passavam recebiam aplausos e adesões. Por Daniel Caribé

Brasil: soma e segue

O governo está aproveitando os acontecimentos recentes para invocar o perigo da direita e reforçar o lado esquerdo da governaçãoPor Passa Palavra

Cidades brasileiras, junho de 2013: o(s) sentido(s) da revolta

A recente onda de protestos deveria catalisar uma reflexão coletiva que já se vinha fazendo necessária há vários anos, acerca da evolução dos ativismos e lutas sociais no Brasil pós-“redemocratização”. Por Marcelo Lopes de Souza

Salvador: dando a volta no CAB junto com os governistas

Estávamos ali para simbolicamente demonstrar nosso repúdio à repressão da policia, tanto às manifestações quanto nas quebradas. Por Campos Roxos

Revolta/revolução

A revolta é a agitação sob a bandeira do lugar-comum, exactamente o oposto da revolução, que é a liquidação dos lugares-comunsPor João Bernardo

Depois de junho

Essas ocupações pretenderam apresentar-se como uma continuidade da radicalidade empreendida pelas manifestações de rua, mas, longe de significar um avanço das lutas, estas ações são a própria confissão de que chegou o refluxo. Por Passa Palavra

Salvador: ganhando por fora, perdendo por dentro

Se a novidade de junho foi a forma como se deu a assimilação por fora, isto não pode nos levar a acreditar que a assimilação por dentro tenha saído de moda. Por Daniel Caribé

Revolta popular: o limite da tática

Violenta e generalizada, a quebra da ordem que ocorre com a explosão da revolta traz consigo um vislumbre da possibilidade de transformação social; mas ao existir na tensão entre uma minoria organizada e uma maioria não organizada, a revolta popular limita a si mesma. Por Caio Martins e Leonardo Cordeiro

Sobre escrachos, extrema-esquerda e suas próprias novelas: o conto que pensei em escrever

Como não era pessoa de levar desaforo para casa, reage ao escracho. O coletivo vota pela sua expulsão. Dias depois, um ato em alguma praça da cidade. O sujeito aparece. As feministas também. Nova confusão, empurrões. A polícia está presente e ri. Por Dokonal


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*



Passa Palavra


Copyleft © 2017 Passa Palavra

Atualizações RSS
ou Email